quando era só para mim

09 abril, 2006

Quando era só para mim, chegava cedo a casa
só para o que havia dentro de mim, suspirava
e aguardava sonhos e mentiras bonitas.
Quando era só para dentro as coisas
não feriamos a pele nem o corpo. Hoje já
tenho mazelas exteriores, coisas de sarar com o
tempo. Esperar, sem ser só para mim,
é eterno, agora.

Na lentidão, não chores,
nem te compadeças pela tua triste
sorte nem pela dos outros,
só por altruísmo falso.
Come aquilo que vives cada
minuto, duro, cru ou
estragado; os pedaços da vida
nunca estão temperados …
e até crus te sabem bem.

Quando a carne não chega
nos pratos
Pensas na salvação da
vida pelo corpo.
Quando a fome é tanta
que queres pão,
o luxo é pouco para
tanta falta e o
sonho é pequeno e
diminuindo
à dimensão mínima,
como coisas estragadas
dentro de ti,
brotam, cheiram e
já não sabem a nada.

Quando a esperança é pequenina
come o dia como se o último
e lança pedras às horas.

Sem comentários:

Enviar um comentário