shortbus

22 junho, 2007



Animal Collective Winter's Love


Há musicas quase tão perfeitas como um filme de muitas músicas perfeitas, feito de pedaços de futilidade, parvoíce e coisas sérias. há filmes e músicas que nos despertam a alma a fazerem a esperança chorar de brilhos nos olhos.

Esta música dos animal collective é uma dessas, das que dão paz e ao mesmo tempo, uma esperança só de querer respirar melhor para ver mundos brilhantes, leves e quentes como músicas perfeitas.
Quando se encontram músicas destas tais pérolas em filmes brilhantes de música perfeita (yo la tengo, animal collective, scott matthew, the ark) sabe bem esperar pelo fim do genérico a espiolhar autorias e coisas de sentir com a alma. nas salas de cinema, acho que as almas por vezes se elevam e ficam coladas ao tecto, a olharem para baixo, tal entusiasmo de iluminação repentina. gosto só de ver filmes que me iluminem por dentro, e especialmente, dos que só me dão vontade de sair do cinema a sorrir, alma longe e contente.

minutos antes havia também escrito isto... achei-o mais tarde num post perdido

as músicas que nos transcendem são quase tão fantásticas como um filme de muitas músicas perfeitas numa obra vibrante: "esclarecedora", iluminadora, coisa de luzes nas coisas fúteis e bárbaras, de risos sobre as coisas incómodas e duma sinceridade que faz chorar a esperança. Esta música dos animal collective é uma música dessas que dão uma paz interior tão inebriante e brilhante por dentro como as maravilhas do devendra banhart e do antony. Esta música, duma tribalidade urbana sobre um inverno que soa a quente, é um pretexto excelente para ver o filme shortbus, que ganha um significado novo e uma força essencial com esta música e as baladas lindas do scott matthew. Coisas nova-iorquinas duma globalidade incessante, uma sensação ilusória de partilha mundial do desespero e da esperança, uma futilidade brilhantemente filmada.

Sem comentários:

Enviar um comentário