a natureza do poema

19 janeiro, 2016

wild
"A natureza tem uma lembrança instintiva. É a lembrança fundamental. Por instinto, tudo estará correcto. (…) Os poema são instintivos, eu disse. Uma natureza instintiva que quase nos redime. Às vezes, um poema acende-se como um candeeiro dentro da cabeça. Fica-se a ver muito bem o que até então nunca se vira. Pendurar um poema e atravessar com ele a noite inteira sem sequer nos darmos conta de que se fez noite."
Valter Hugo Mãe, A Desumanização

Sem comentários:

Enviar um comentário